Ferramentas Pessoais
Você está aqui: Página Inicial - Atividades - CURADORIA: História das Exposições

CURADORIA: História das Exposições

CURADORIA: História das Exposições - 2 sem 2013

Coordenação 
Profª Lisette Lagnado e Profª Mirtes Marins de Oliveira

com a participação de:

Daniela Castro, Fabio Cypriano, Marcos Moraes, Ana Pato, Ana Letícia Fialho, Ana Maria Maia, Fernando Oliva, Regina Parra, Joanna Tuttoilmondo e Luisa Duarte.


OBJETIVO
Oferecer um panorama crítico, embora geral, dos vários aspectos a serem considerados durante a concepção de uma mostra, desde a compreensão dos cenários geopolíticos em jogo e o desenvolvimento da indústria do turismo, até a disposição das obras no espaço expositivo.

SOBRE O CURSO
O curso se fundamenta em exposições de grande escala e com periodicidade regular, como é o caso das Bienais de Veneza, São Paulo e Mercosul, e da Documenta de Kassel, entre outras. Serão abordados também alguns programas de museus de arte moderna e contemporânea, no Brasil e no Exterior.


Clique aqui e acesse o conteúdo do Seminário de Curadoria - XXIV Bienal de São Paulo: Antropofagia e Histórias de Canibalismos, realizado em 13 de abril de 2013, com Pablo Lafuente, Renato Sztutman, Tania Rivera, Mirtes Marins de Oliveira e mediação de Fabio Cypriano e Lisette Lagnado.

Este curso foi realizado entre os dias 16/08/2013 e 06/12/2013
No periodo das 10:00 às 12:00

Descontos para empresas e grupos. Entre em contato com nosso departamento comercial 11 3060.3636


Oferecemos também aulas cortesia para alunos matriculados neste curso, são + 8 aulas cortesias para você complementar sua formação multidisciplinar. Clique aqui para selecionar suas aulas.


Assista ao vídeos relacionados:

   

 

Curso teórico

Nível Intermediário

Pré-requisito: Ter repertório básico sobre a temática abordada no curso.


Plano de aulas:

Aula 1

O “cubo branco” como paradigma para as exposições modernas

Profª Mirtes Marins de Oliveira

Aula 2

A virada antropológica no campo da curadoria: “The family of man” (MoMA, Nova York, 1955) e “Magiciens de la terre” (Centre Georges Pompidou e Parc de la Villette, Paris, 1989).

Profª Daniela Castro

Aula 3

Mecanismos de censura na história da Bienal de São Paulo: dos anos de ditadura militar ao veto contra o Guaraná Power de Superflex.

Prof. Fernando Oliva

Aula 4

A partir da atuação experimental de Walter Zanini e Frederico Moraes: Jovem Arte Contemporânea (JACs) e Domingos da criação.

Profª Ana Maria Maia

Aula 5

Perspectivas curatoriais na formação de acervos de arte moderna e contemporânea brasileira.

Profª Joana Tuttoilmondo

Aula 6

Viagens educativas pelo mundo em busca de arte e cultura: do Grand Tour do século XVII à proliferação de bienais contemporâneas (Veneza, Münster, Istanbul…).

Prof. Marcos Moraes 

Aula 7

Breve panorama de exposições que colocaram em xeque a instituição da arte.

Profª Daniela Castro 

Aula 8

Arquivos de festivais e centros de mídia. Estudo de caso: Acervo Videobrasil.

Profª Ana Pato

Aula 9

Harald Szeemann e Kynaston McShine: o caráter processual da relação curador e artista nos anos 1960/70.

Profª Mirtes Marins de Oliveira

Aula 10

O Programa ambiental de Hélio Oiticica e o conceito de participação na 27ª Bienal de São Paulo.

Profª Regina Parra/ Lisette Lagnado 

Aula 11

A Era Edemar Cid Ferreira em quatro movimentos: as Bienais de 1994 e 1996, a Mostra do Redescobrimento, Brasil Connects e as Representações em Veneza.

Prof. Fabio Cypriano  

Aula 12

A problematização da “arte latino-americana” até a invenção da Bienal do Mercosul.

Profª Ana Leticia Fialho 

Aula 13

O “Átlas”de Didi-Huberman

Profª Luisa Duarte

Aula 14

Como o conceito de Antropofagia foi usado para estruturar a XXIV Bienal de São Paulo (1998) - O significado de “contaminações” segundo Paulo Herkenhoff.

Profª Lisette Lagnado

Aula 15

A Bienal do Vazio como crítica institucional?

Prof. Fabio Cypriano

Aula 16

Tipologias de exposições: “Desvíos de la Deriva”(MNCARS, 2010) e Bienal de Istanbul (2011), de como algumas mostras abordam temas de forma ilustrativa ou como uma experiência.

Prof. Fabio Cypriano

 


PERGUNTAS FREQUENTES

As inscrições são abertas para quem não tem curso superior?
Sim. O público potencial pode ser estudantil, sem graduação completa. É importante ressaltar que o curso não tem, em princípio, um caráter pragmático, de aplicação imediata. Portanto, é necessário que o interessado compreenda que se trata de um investimento a médio prazo e processo de aquisição de conhecimento.

É um curso teórico ou prático?
Esse módulo do curso tem caráter teórico devido à carga de informações históricas transmitidas. Informações de ordem prática serão objeto de outros módulos oferecidos pela Escola.

Artistas podem se inscrever?
Sim, desde que tenham um interesse em exercitar um pensamento crítico em torno das políticas institucionais, tanto públicas como privadas.

Profissionais envolvidos com “arte-educação” podem se inscrever?
Sim, desde que tenham um interesse em acompanhar o pensamento conceitual do curador.

Jovens empreendedores, com intenção de abrir espaços comerciais, podem se inscrever?
Sim. É sempre importante que, aqueles que têm um perfil empreendedor, conheçam em profundidade o campo no qual pretendem atuar. O curso não tratará de espaços comerciais, mas proporciona uma reflexão qualificada sobre o circuito artístico.

As aulas contemplam conhecimentos de gestão cultural?
De modo específico, não. Porém o curso permite a compreensão das etapas relacionadas à gestão na prática curatorial.

Quais são os requisitos mínimos exigidos para seguir este curso?
Interesse em se familiarizar com a produção artística contemporânea e oportunidade de entrar em contato com referências do circuito das exposições.

Preciso dominar uma língua além do português?
Não. Mas, leituras em inglês, espanhol ou francês podem ser solicitadas uma vez que a bibliografia existente no Brasil ainda é embrionária.

O curso exige leituras de uma aula para outra?
Sim. O curso exige leituras fora do horário da aula. A bibliografia será dada no ato da matrícula.

O curso exige trabalhos escritos de uma aula para outra?
Não. Exige-se apenas a presença em todas as aulas.

O certificado me habilita a fazer curadoria em seguida?
Não. O certificado serve para atestar um conhecimento de algumas exposições marcantes por meio de autores centrais do ponto de vista histórico.

Quais os diferenciais que este curso proporciona ao meu currículo profissional?
a) compreender o processo que envolve conceber uma exposição em instituições ou espaços temporários;
b) analisar a recepção da arte a partir de exposições paradigmáticas;
c) acompanhar a produção de exposições na qualidade de pesquisador e atuar como assistente da curadoria.


Professores:


Lisette Lagnado
Lisette Lagnado

Professora do Mestrado de Artes Visuais da Faculdade Santa Marcelina (Fasm), co-editou a revista eletrônica Trópico, com Alcino Leite Neto e Esther Hamburger. Entre suas curadorias, destacam-se “Desvíos de la deriva” (Museo Nacional Centro de Arte Reina Sofía, 2010), a 27ª Bienal de São Paulo (2006) e a Sala Especial Iberê Camargo (II Bienal de Artes Visuais do Mercosul, Porto Alegre, 1999). Foi membro de diversos juris de seleção, notadamente do 2nd Annual Deutsche Bank Urban Age Award (2008). É curadora do Panorama 33 de Arte Brasileira do Museu de Arte Moderna de São Paulo (2013) e autora de inúmeros artigos publicados no Brasil e no Exterior, em revistas especializadas. Graduada em Jornalismo pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP), com mestrado em Comunicação e Semiótica na mesma Universidade e doutorado em Filosofia pela Universidade de São Paulo (USP).

Mirtes Marins de Oliveira
Mirtes Marins de Oliveira

Coordenou o Bacharelado em Artes Plásticas (1997-2006) e implantou e coordenou, de 2003 a 2013, o Mestrado em Artes Visuais na Faculdade Santa Marcelina (Fasm), em São Paulo. Foi co-editora da revista do Mestrado da Fasm, marcelina. Responsável pela produção dos Seminários Semestrais de Curadoria, idealizados e liderados por Lisette Lagnado, coordenou os cursos de “Estudos Curatoriais: perspectivas críticas e experimentais” e “Práticas curatoriais e gestão cultural”, ambos na Fasm. Trabalhou nos setores educativos do Museu de Arte Contemporânea da Universidade de São Paulo (1989-91) e da Fundação Bienal de São Paulo (1987). Atualmente, é docente do Mestrado e Doutorado em Design da Universidade Anhembi-Morumbi. Graduada em Artes Plásticas pela Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo (ECA-USP). Mestre e Doutora em Educação: História, Política e Sociedade, pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP), com tese sobre a produção fotográfica da cidade de São Paulo nos séculos XIX e XX.

 


O material de apoio das aulas será enviado por email pela Secretaria Escolar para um melhor aproveitamento do curso. A impressão é opcional, salvo a solicitação do professor.


Verifique com a Secretaria Escolar os feriados e emendas que podem coincidir com o calendário do curso.


A Escola São Paulo poderá alterar datas e horários ou cancelar os cursos, de acordo com o número de interessados. Em caso de imprevisto com o professor, poderá haver substituição, a critério da Escola São Paulo, sem alteração do programa. No decorrer do curso, algumas aulas poderão ser abertas para inscrições avulsas.